Jovens Líderes

 

O mineiro Eduardo L’Hotellier tinha uma carreira consistente como consultor estratégico e trabalhava mais de 12 horas por dia na Angra Partners, quando começou a empreender nas horas vagas. Eram os tempos áureos do Peixe Urbano e do Groupon, no fim de 2010, e as compras coletivas bombavam. Para ele, porém, faltava uma plataforma para contratação de prestadores de serviços, como pintores, encanadores e maridos de aluguel. Resolveu o problema adquirindo um site pré-pronto na Índia, com todas as funcionalidades necessárias para começar a montar seu marketplace. Fez isso com 700 dólares e, em duas semanas, colocou um protótipo no ar. A Cidade dos Bicos, com mil prestadores de serviços cadastrados, foi o embrião da GetNinjas.

A GetNinjas, plataforma para cotação e contratação de diversos profissionais, é uma das startups que mais teve investimentos em 2015, tendo recebido um aporte de R$ 40 milhões de reais da americana Tiger, valor que representa mais de 20% de toda a quantia investida em startups brasileiras durante o período.

A equipe do site GetNinjas triplicou de tamanho: hoje são 90 pessoas em São Paulo. E articula um mercado complexo e capilarizado que movimentou 200 milhões de reais pelo site no último ano. “Também começamos um projeto de contar a história dos nossos profissionais, com o intuito de mostrar como o GetNinjas está ajudando o Brasil a se tornar uma sociedade mais empreendedora”, adianta Eduardo.

 

 

Economista com MBA em Marketing pela PUC-RJ, e com experiências no mercado financeiro e no planejamento de uma das maiores redes varejistas de vestuário do país, o carioca Antonio Moreira Leite integrou-se à equipe do Grupo Trigo Franchising em 2005. Sua missão não era nada simples: assumir o marketing da rede de pizzarias Domino’s, que, então com 30 unidades no Brasil, estava indo de mal a pior. “Seis meses depois, demos início a uma rota de crescimento muito grande, que permanece até hoje”, diz Antonio, que tem como meta chegar a 25 novas unidades inauguradas até o fim do ano, totalizando 158 restaurantes.

Hoje, a marca representa cerca de 30% no faturamento do grupo, que também integra as marcas Spoleto e Koni Sushi. E, assim, Antonio não só conseguiu resgatar a rede de pizzarias como se tornou presidente do grupo. É o primeiro executivo independente no comando da empresa, que hoje conta com 640 restaurantes e movimenta mais de 1 bilhão de reais por ano. Agora, ele irá investir R$35 milhões para reformar os restaurantes da rede.

O curioso é que ele foi sondado pela primeira vez para trabalhar na Spoleto quando ainda fazia MBA, mas, na época, optou por não aceitar porque a rede ainda era pequena no país.